Acessibilidade em condomínio

acessibilidade em condomínio
acessibilidade em condomínio
Mais do que uma questão de cidadania, o acesso adequado para todos os moradores do condomínio é um direito previsto em lei.

Quando ouvimos a palavra “acessibilidade” logo pensamos em um deficiente físico, porém, a questão é que possibilitar o acesso vai muito além desse grupo. 

É importante destacar que as pessoas com algum tipo de mobilidade reduzida, não necessariamente nasceram com a deficiência física, auditiva, visual ou mental permanente. São comuns os casos de condôminos que são saudáveis, em perfeitas condições físicas e mentais, mas que por alguma fatalidade lhe dificultou a sua mobilidade. 

Até mesmo a senilidade é um fator que exige maiores cuidados. Para os idosos um simples subir e descer de escadas é uma tarefa dificultosa em um condomínio sem adaptações.

Confira alguns dos principais locais que precisam de adaptações nos prédios:  

  • Rampas de acesso: feitas para substituir escadas, devem obedecer a NBR 9050 sobre a sua inclinação máxima – já que uma rampa super inclinada não iria ajudar no deslocamento;
  • Pisos antiderrapante: pisos lisos demais ou com muitos tapetes facilitam quedas;
     
  • Corrimãos: devem estar em ambos os lados de escadarias, e começar e terminar da parede;
     
  • Escada de alvenaria nas piscinas: a substituição de escadas de inox por uma que seja parte da piscina ajuda a todos a entrarem na água de forma muito mais segura;
     
  • Elevadores: o condomínio deve disponibilizar elevadores sempre que não conseguir que suas rampas sigam a NBR 9050;
     
  • Banheiros: colocação de barras de apoio corretamente em banheiros das áreas comuns,
     
  • Portas: A NBR 9050 pede que as portas sejam largas o suficiente para que seja possível passar uma cadeira de rodas, que tem, geralmente 90 cm. 

Além desses itens, é importante ressaltar que não é só a parte física que precisa de alteração para atender melhor a terceira idade, funcionários também devem estar preparados para lidar com esse público diverso. 

Por fim, como em todos os assuntos dentro de um condomínio, é um bom caminho conversar sobre o tema em assembleia. É essencial prezar pelo bom senso e pelo respeito ao próximo, e, caso não atrapalhem outros moradores, mudanças são sempre bem-vindas, em prol do bem comum.

Confira a norma completa: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/