Recentemente, a advogada Tatiane Spitzner foi encontrada morta após cair do quarto andar do prédio onde morava, no Paraná. As câmeras de segurança do prédio registraram várias agressões feitas pelo marido, em áreas comuns do condomínio. Ele foi indiciado por feminicídio.

Esse triste fato engrossa as estatísticas, é cada vez mais comum a violência dentro de casa. A pergunta que surge é: será que se algum vizinho tivesse batido na porta ou chamado à polícia a Tatiane estaria viva?

Em entrevista à BBC News Brasil, a juíza integrante da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do Poder Judiciário do Estado de São Paulo, Teresa Cristina Cabral Santana, tem a opinião de que a intervenção de vizinhos pode sim ser determinante em situações como essa e salvar uma vida.

Ela aponta que brigas causam barulho, há gritos, objetos quebrados e até pedido de socorro por parte da vítima da agressão. Nesses casos, os vizinhos podem se manifestar de várias maneiras: acender e apagar a luz, bater na porta, tocar o interfone, avisar o porteiro ou segurança e até mesmo chamar à polícia.

Diante dessa violenta realidade, está na hora de deixar de lado o velho ditado “em briga de marido e mulher, ninguém mete a colher”.

Fonte: www.sindiconet.com.br